sexta-feira, 24 de março de 2017

Maldaner acompanha Colombo em audiência no Ministério da Agricultura sobre operação “Carne Fraca”


De olho nos reflexos da operação Carne Fraca no mercado, principalmente do oeste catarinense, berço das agroindústrias, o deputado Celso Maldaner (PMDB) acompanhou o governador Raimundo Colombo, o Secretário de Agricultura – Moacir Sopelsa e o deputado estadual Gelson Merísio, em audiência com o Ministro Blairo Maggi no Ministério da Agricultura nesta quarta-feira em Brasília. Os líderes buscam práticas que amenizem os efeitos do estrago provocado no mercado.

Maldaner explica que é preciso trabalhar intensamente para que as restrições fiquem às 21 unidades investigadas, e não a todo o setor. “Das mais de 600 unidades de produção de carne suína e de frango em Santa Catarina, apenas uma, que fica em Jaraguá do Sul e tem sede no Paraná  está sendo investigada. Esses dados ajudam a confirmar a qualidade da carne catarinense, preparada com rigorosos critérios sanitários e exportada para mais de 120 países. Não podemos permitir que este fato isolado ocasione grandes prejuízos, tão menos aos nossos produtores, que seguram a economia e permitem que o alimento chegue a nossa mesa. A carne de Santa Catarina tem qualidade e é forte”, destacou o deputado.

“Temos absoluta segurança, com aval dos nossos técnicos, da qualidade do produto catarinense. Nosso modelo é responsável, confiável e seguro. A ação agora é esclarecer tudo, com transparência, e manter contato constante com os mercados internacionais que compram nossos produtos, fornecendo qualquer informação complementar desejada. Os fatos estão superando as versões e as pessoas estão começando a ver a realidade do mercado”, explicou o governador.

O ministro se colocou a disposição para auxiliar no que for preciso e intermediar conversas com outros países na defesa pela carne brasileira.


Raquely Benedet Cella
Assessora Parlamentar
Gabinete Dep. Federal Celso Maldaner
Av. Nereu Ramos, 75-D Edf. CPC Sls 305-307/B
89801-020 / Centro / Chapecó/SC
(49) 3329-1560 / (49) 9142-9310


Manifestação a respeito da PEC 287/16 Manifestação I

A Proposta de Reforma da Previdência, nos termos em que o Governo enviou ao Congresso, NÃO DEVE SER APROVADA! Pessoalmente, considero que devem ser aperfeiçoados alguns dispositivos INJUSTOS e INADEQUADOS que integram a iniciativa, importante e necessária.
Os principais pontos são:
1 – Idade mínima para aposentadoria de 65 anos – não leva em conta sexo, nem natureza da atividade profissional;
2 – Regra de Transição – apresentada sem justificação resulta em fórmula INJUSTA;
3 – Dentre as atividades profissionais mais prejudicadas pelo projeto está a do AGRICULTOR, especialmente o pequeno produtor rural.
Além desses tópicos, outros estão sendo alinhados para discussão e modificação do texto encaminhado pelo governo. Tanto é verdade que 146 emendas foram apresentadas, muitas delas assinadas por mim.
Dentre outros temas, é necessário que, por imposição moral, fixemos teto efetivo de remuneração no serviço público, sob pena de se incorrer em grave omissão.
Ao longo da tramitação da PEC 287/16 estaremos atualizando essas observações e informações, considerando – respeitosamente - as inúmeras manifestações que cidadãos nos dirigirem.


Esperidião Amin
Deputado Federal-PP/SC, em 16/03/2017.



Coruja diz que o parlamento não pode ser comandado pelo executivo

Na sessão de hoje da Ordem do Dia, que colocou em votação cinco vetos do governador Raimundo Colombo a Projetos de Lei aprovados pelo plenário, o deputado Fernando Coruja disse que "o parlamento deve reagir contra as imposições do  governo do estado, que justifica seus vetos com  motivos frágeis, em análises que demonstram desconhecimento constitucional  e total despreocupação social, se apegando no formalismo". Coruja, que  tem  utilizado o seu conhecimento constitucional para fazer a análise dos vetos,  diz que "os motivos que o governador apresenta não prosperam no direito brasileiro: procura inconstitucionalidade onde não existe".
Coruja se manifestou dizendo que "o mínimo de dúvida deve ser suficiente para nos levar a derrubar o veto do governador, não podemos aceitar as análises da procuradoria como definitivas, já que elas se repetem em muitos casos, dando a impressão de que foram utilizadas as teclas ctrl c /ctrl v (copia e cola)".
Analisando a postura do parlamento em nosso país, Coruja disse que, de uma forma geral,  é de submissão "nós aqui precisamos reagir contra esta imposição da procuradoria e do governo do estado".  E conclamou os seus pares ao debate, dizendo que na vida pessoal é de poucas palavras "mas aqui no parlamento sou a favor do debate e vou continuar expondo as minhas ideias, para criar boas leis, porque sou contra a ficar de joelhos, chancelando os vetos que vêm da procuradoria". 



Meio Ambiente instala lixeira container na Avenida Presidente Vargas


A iniciativa busca amenizar o deposito irregular de lixo na rua e calçadas diante da intensa circulação noturna de pessoas neste local
O acúmulo de lixo em alguns horários na Avenida Presidente Vargas, próximo a Praça Zeca Neves, era uma reclamação antiga e constante dos moradores da região.
Com o propósito de resolver o problema, a Secretaria de Serviços Públicos e Meio Ambiente de Lages, instalou uma lixeira container no local.
 Foto: Divulgação

Projeto Passeio Universitário será lançado no dia 29 de março

   Está programado para o dia 29 de março, quarta-feira, às 14h, o lançamento do projeto Passeio Universitário, na praça em frente ao Centro Serra Convention Center. Nesta data haverá atividades informativas, recreativas, apresentações artísticas, contação de histórias, roda de conversa, coleta de materiais recicláveis, distribuição de hortaliças e plantio de árvores, iniciando o bosque pelos estudantes e instituições parceiras. Esta programação será desenvolvida entre 13h30min e 17 horas.
   De acordo com a presidente da Associação Comunitária Passeio Universitário (ACPU), Silvia de Oliveira, a comunidade do bairro Universitário tomou a iniciativa de propor a mudança no destino de uma área que seria um estacionamento de aproximadamente 4.500 metros quadrados em frente ao Centro Serra, situado na rua Archilau Batista do Amaral. “Esta comunidade, através de seus moradores e também de associações de bairros vizinhos, está se empenhando para que nesta área seja formado um espaço público para a educação e prática de atividades voltadas à sustentabilidade ambiental e social, como horta comunitária urbana, espaço agroflorestal, mini jardim botânico, labirinto e espaço terapêutico. Por isso, foi instituída então a Associação Comunitária Passeio Universitário com enfoque no desenvolvimento de pessoas e aprimoramento do exercício da cidadania.” A proposta é que o terreno passe a ser utilizado para educação ambiental, fomentada e coordenada de maneira coletiva pela comunidade, com a implantação de uma horta sintrópica (tentativa culta de conseguir o necessário daquilo que precisamos para nos alimentar), portanto, que agregue princípios e técnicas de produção de alimentos integrados à floresta.
   O evento contará com a participação de diversas instituições, como as secretarias da Saúde, Serviços Públicos e Meio Ambiente, e Educação, Centro de Ciências Agroveterinárias (CAV), da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc), Polícia Militar Ambiental, Serviço Social do Comércio (Sesc), Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), Universidade do Planalto Catarinense (Uniplac), Instituto Federal de Santa Catarina (Ifsc), Centro Vianei de Educação Popular e a Irmandade Nossa Senhora das Graças. No dia 20 de fevereiro o prefeito Antonio Ceron recepcionou integrantes da Associação, quando a entidade foi apresentada e formalizado o pedido para que o Município concedesse a área em questão para novo aproveitamento.

Foto: Divulgação

Farmácia Básica é reabastecida com medicamentos em caráter emergencial



O problema da falta de medicamentos se arrasta desde janeiro. Os estoques estavam praticamente zerados quando a nova equipe da administração municipal assumiu a gestão. Também não havia sido encaminhado um processo licitatório
Nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (23) pessoas já formavam filas na Farmácia Básica do município, vinculada à Secretaria da Saúde. O motivo da aglomeração foi a chegada de uma carga de remédios para renovar o estoque, que estava em situação precária.
O problema decorrente da falta de medicamentos básicos se arrasta desde janeiro deste ano e chegou a uma situação crítica. De acordo com o diretor administrativo da Secretaria, Rafael Peletti, os estoques estavam praticamente zerados quando a nova equipe da administração municipal assumiu a gestão. Também não havia sido encaminhado um processo licitatório para a aquisição de mais remédios, processo que normalmente é moroso e, dependendo do número de recursos solicitados pelos concorrentes, pode ultrapassar os 90 dias.
Foi necessário iniciar todo o processo, desde o quantitativo e orçamentos, para realizar uma compra emergencial, com dispensa de licitação para que a Farmácia Básica pudesse atender a demanda. “Recebemos o almoxarifado com estoque de medicamentos muito reduzido e a maioria dos funcionários de férias, dificultando a agilidade em montar o processo de compra. Fizemos uma verdadeira força-tarefa, com um mutirão entre os funcionários, para conseguir tomar as providências o mais rápido possível”, afirma Peletti.
O contrato emergencial com seis fornecedores foi homologado no dia 6 de março, no valor de R$ 310 mil. A compra compõe 83 itens de medicamentos, dos quais já foram entregues 54 e outros nove devem chegar até segunda-feira (27). O restante chegará nos próximos dias, conforme o compromisso firmado com outros fornecedores. “Os próprios fornecedores também apresentam problemas, pois nem sempre eles têm os medicamentos solicitados no estoque. Mas temos muitas parcerias, até mesmo com hospitais, que nos emprestam medicamentos ou fazem um adiantamento para que possamos amenizar a situação”, declara o diretor.
A demanda de pessoas que procuram pelos remédios aumenta a cada semana, não dando condições de se ter uma previsão precisa do estoque para os próximos meses. A expectativa de que o alívio à população, que busca por medicamentos todos os dias, seja de aproximadamente um mês e meio, até que a licitação que está em andamento esteja concluída ou ao menos bastante adiantada. Este processo licitatório para aquisição de remédios deve atender, além da Farmácia Básica, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps), o Pronto-Atendimento Tito Bianchini, a Policlínica e todas as 23 Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Fotos: Carlos Alberto Becker
______________________________________________
Definida a data 

NOTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PROTEÍNA ANIMAL À IMPRENSA

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) vem a público manifestar sua preocupação quanto às consequências econômicas e sociais decorrentes da Operação “Carne Fraca”, tanto entre os consumidores brasileiros quanto no mercado internacional.

Indicadores apontam para fortes retrações nos níveis de exportações de produtos cárneos do Brasil, com a suspensão das vendas para diversos dos mais importantes mercados importadores da Ásia, Europa, África e América.

Contra este cenário, Governo e setor privado rapidamente deram início à uma reação diante das informações que ganharam o mundo, sobre a absolutamente equivocada ideia de problemas sistêmicos na qualidade da carne do Brasil.  É notável o empenho governamental em apresentar detalhados esclarecimentos para o mundo.

Neste contexto, é fundamental que se mantenham discursos objetivos, que evitem sustentar a ideia de fraudes sem a conclusão das averiguações. 

A ABPA reitera seu repúdio a fraudes e defende a plena investigação dos fatos e punição dos envolvidos. 

Ao mesmo tempo, a associação enfatiza a importância de que não se repitam os equívocos cometidos no tocante à divulgação da Operação – os quais, destacamos, foram isolados dentro do reconhecido trabalho da Polícia Federal.  Especulações sobre informações não reveladas apenas aumentam os prejuízos à Sociedade Brasileira.  Que o processo investigativo seja efetivado e concluído com responsabilidade e comprometimento com as instituições e com o país.

O Brasil é líder mundial nas exportações de carne de frango e quarto maior exportador de carne suína.  Graças ao trabalho de órgãos governamentais, associações e empresas, o Brasil é reconhecido pela denominação de origem de qualidade de suas carnes, em caminho semelhante ao percorrido por suíços com relógios, franceses com vinhos, japoneses e alemães com carros, entre outros exemplos.

A carne de frango é a mais consumida pelo brasileiro atualmente, com média anual superior a 40 quilos por habitante. Em terceiro lugar, a carne suína tem consumo médio de 15 quilos por habitante. 

São números que atestam o papel protagonista assumido pelos setores na segurança alimentar do Brasil e do mundo.  Uma posição que, agora, lutamos para manter, juntamente com os 4,1 milhões de empregos diretos e indiretos gerados pela avicultura e pela suinocultura do país.

Temos plena confiança nas instituições do Brasil.  A população também pode continuar a confiar no produto brasileiro.

Informações para a imprensa:



Vinhos da Suzin no Gastronômade SC

No próximo domingo, dia 26, acontece mais uma edição do Gastronômade Brasil, no empreendimento  Costa da Serra Golf em Rancho Queimado. Orlando e Flávia Becker e Rosa Estrella,  são alguns dos convidados que já confirmaram presença. O chef Rafael Terrasi, vai harmonizar os pratos com os vinhos da vinícola catarinense Suzin, uma das mais premiadas de SC. Renata Runge, organizadora do evento no Brasil, já está em Florianópolis. Semana que vem, ela segue para Bom Retiro, onde faz uma visita técnica na vinícola Thera, provavelmente onde será a próxima edição do evento em terra catarinense.


quinta-feira, 23 de março de 2017

Remédios chegam na farmácia básica em Lages

Farmácia Básica é reabastecida com medicamentos em caráter emergencial
O problema da falta de medicamentos se arrasta desde janeiro. Os estoques estavam praticamente zerados quando a nova equipe da administração municipal assumiu a gestão. Também não havia sido encaminhado um processo licitatório
Nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (23) pessoas já formavam filas na Farmácia Básica do município, vinculada à Secretaria da Saúde. O motivo da aglomeração foi a chegada de uma carga de remédios para renovar o estoque, que estava em situação precária.
O problema decorrente da falta de medicamentos básicos se arrasta desde janeiro deste ano e chegou a uma situação crítica. De acordo com o diretor administrativo da Secretaria, Rafael Peletti, os estoques estavam praticamente zerados quando a nova equipe da administração municipal assumiu a gestão. Também não havia sido encaminhado um processo licitatório para a aquisição de mais remédios, processo que normalmente é moroso e, dependendo do número de recursos solicitados pelos concorrentes, pode ultrapassar os 90 dias.
Foi necessário iniciar todo o processo, desde o quantitativo e orçamentos, para realizar uma compra emergencial, com dispensa de licitação para que a Farmácia Básica pudesse atender a demanda. “Recebemos o almoxarifado com estoque de medicamentos muito reduzido e a maioria dos funcionários de férias, dificultando a agilidade em montar o processo de compra. Fizemos uma verdadeira força-tarefa, com um mutirão entre os funcionários, para conseguir tomar as providências o mais rápido possível”, afirma Peletti.
O contrato emergencial com seis fornecedores foi homologado no dia 6 de março, no valor de R$ 310 mil. A compra compõe 83 itens de medicamentos, dos quais já foram entregues 54 e outros nove devem chegar até segunda-feira (27). O restante chegará nos próximos dias, conforme o compromisso firmado com outros fornecedores. “Os próprios fornecedores também apresentam problemas, pois nem sempre eles têm os medicamentos solicitados no estoque. Mas temos muitas parcerias, até mesmo com hospitais, que nos emprestam medicamentos ou fazem um adiantamento para que possamos amenizar a situação”, declara o diretor.

A demanda de pessoas que procuram pelos remédios aumenta a cada semana, não dando condições de se ter uma previsão precisa do estoque para os próximos meses. A expectativa de que o alívio à população, que busca por medicamentos todos os dias, seja de aproximadamente um mês e meio, até que a licitação que está em andamento esteja concluída ou ao menos bastante adiantada. Este processo licitatório para aquisição de remédios deve atender, além da Farmácia Básica, o Centro de Atenção Psicossocial (Caps), o Pronto-Atendimento Tito Bianchini, a Policlínica e todas as 23 Unidades Básicas de Saúde (UBSs).

Associação brasileira de proteína animal divulga nota à Imprensa



NOTA DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PROTEÍNA ANIMAL À IMPRENSA

A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) vem a público manifestar sua preocupação quanto às consequências econômicas e sociais decorrentes da Operação “Carne Fraca”, tanto entre os consumidores brasileiros quanto no mercado internacional.

Indicadores apontam para fortes retrações nos níveis de exportações de produtos cárneos do Brasil, com a suspensão das vendas para diversos dos mais importantes mercados importadores da Ásia, Europa, África e América.

Contra este cenário, Governo e setor privado rapidamente deram início à uma reação diante das informações que ganharam o mundo, sobre a absolutamente equivocada ideia de problemas sistêmicos na qualidade da carne do Brasil.  É notável o empenho governamental em apresentar detalhados esclarecimentos para o mundo.

Neste contexto, é fundamental que se mantenham discursos objetivos, que evitem sustentar a ideia de fraudes sem a conclusão das averiguações. 

A ABPA reitera seu repúdio a fraudes e defende a plena investigação dos fatos e punição dos envolvidos. 

Ao mesmo tempo, a associação enfatiza a importância de que não se repitam os equívocos cometidos no tocante à divulgação da Operação – os quais, destacamos, foram isolados dentro do reconhecido trabalho da Polícia Federal.  Especulações sobre informações não reveladas apenas aumentam os prejuízos à Sociedade Brasileira.  Que o processo investigativo seja efetivado e concluído com responsabilidade e comprometimento com as instituições e com o país.

O Brasil é líder mundial nas exportações de carne de frango e quarto maior exportador de carne suína.  Graças ao trabalho de órgãos governamentais, associações e empresas, o Brasil é reconhecido pela denominação de origem de qualidade de suas carnes, em caminho semelhante ao percorrido por suíços com relógios, franceses com vinhos, japoneses e alemães com carros, entre outros exemplos.

A carne de frango é a mais consumida pelo brasileiro atualmente, com média anual superior a 40 quilos por habitante. Em terceiro lugar, a carne suína tem consumo médio de 15 quilos por habitante. 

São números que atestam o papel protagonista assumido pelos setores na segurança alimentar do Brasil e do mundo.  Uma posição que, agora, lutamos para manter, juntamente com os 4,1 milhões de empregos diretos e indiretos gerados pela avicultura e pela suinocultura do país.

Temos plena confiança nas instituições do Brasil.  A população também pode continuar a confiar no produto brasileiro.


Informações para a imprensa: